As minhas corridas na estrada

terça-feira, 24 de maio de 2022

Estrela Grande Trail (49km) - Os Amigos do Armando

Como em todas as provas do Armando, os minutos antes do inicio deste Estrela Grande Trail são diferentes. Olho à volta, somos cento e poucos na distância maior (49km), vejo muita gente conhecida, o ambiente é especial. Não há muitas pessoas no trail nacional tão consensuais como o Armando Teixeira. Todos lhe conhecem minimamente o currículo, se não, basta dar uma saltada ao perfil do ITRA. Com registos desde 2009, pódios e primeiros lugares em provas como o MIUT, Transgrancanária, ou Ronda dels Cims, é sem dúvida alguma um dos melhores de sempre a praticar o nosso desporto em Portugal. Mas não é o currículo desportivo que lhe confere aquela aura que todos reconhecem e que torna esta prova especial. É que o Armando é mesmo um gajo porreiro! Gosta de trail e da montanha, acima de tudo. É bem disposto, gosta de ajudar e nunca o vi a recusar dois dedos de conversa, seja com quem for! Naturalmente, à volta de uma personalidade forte e aglutinadora, gravitam pessoas que se identificam com ela. No fundo, mais que atletas inscritos, somos todos amigos do Armando! E às 8 em ponto, ao som de um badalo, lá partimos rumo a uma viagem de ida e volta ao ponto mais alto de Portugal Continental!

Fotografia do Armando pelo Francisco Soares

O início da prova não esconde ao que vamos. Assim que cruzamos o pórtico em forma de estrela começamos a grande subida do dia. Primeiro ainda dentro de Manteigas, por entre escadas e ruelas, até entrar na estrada florestal que serpenteia no meio de um bosque quase Alpino rumo às Penhas Douradas. Já a fiz algumas vezes e gosto muito desta subida. É uma maneira excelente de começar uma prova! São cerca de 5km com uma inclinação muito constante, a rondar os 14%, cheia de curvas e contra curvas. Não muito bruta, ideal para acordar as pernas que, com um bocadinho de esforço, entram em modo cruzeiro permitindo o trote até lá acima. 

Fotografia do grande Paulo Nunes. Esta prova teve uma caracteristica, eram tantos fotografos e câmaras de filmar que uma pessoas às vezes queria ir devagar mas tinha que correr por causa deles! 

Tal como tem acontecido nos últimos tempos, sinto alguma confiança e tenho facilidade em entrar na prova. Chego lá acima na 7ª ou 8ª posição, naturalmente fora de pé, por isso não estranho nem me chateio quando meia dúzia de companheiros me vão apanhando enquanto cruzamos os trilhos rumo à barragem do Vale do Rossim. A primeira vez que aqui corri, no EGT de 2015 (na altura com 90km), lembro-me de achar que a organização tinha pecado por não limpar melhor os trilhos. Corremos em pequenos carreiros, quando existem, com muito mato rasteiro virgem. Os 7 anos de distância e muitos km de montanha depois mudaram-me a opinião quanto a isso. Percebo agora que a essência é mesmo essa, de modificar o menos possível o ambiente. É apontar à fita seguinte, descobrir as melhores linhas e estar sempre focado no que nos rodeia. Se isso implica arranhar mais um bocado as pernas, então que seja!

Uma pequena alteração do percurso que conhecia leva-nos até à margem da barragem, ao longo da qual percorremos o km que nos separa do paredão e do Parque de Campismo do Vale. Sentia-me bem e solto nos quase 10km de trilhos percorridos no Vale do Rossim, que nos levariam até à Garganta da Loriga. Adoro estes trilhos. Maioritariamente a subir, com pequenas e entusiasmantes descidas, corremos com alguma facilidade a saltitar entre maciços gigantes de granito. A meio, a passagem obrigatória na Fenda da Talisca, no maciço da Nave Mestra, embala-nos para mais uns quilómetros de planalto verdejante, cortado por pequenos ribeiros de água gelada que se escondiam debaixo de tufos. Maravilha!

Grande foto do Francisco Soares, dos tais ribeiros escondidos.

Na garganta, km 22, paro pela primeira vez num abastecimento, o segundo da prova. Completíssimo. Mas eu nem preciso de muito. Para mim qualquer abastecimento que tenha batata doce está aprovado! Como umas rodelas, empurro uma fatia de melancia e ala que se faz tarde!

Um km a descer leva-nos mesmo à boca da barragem da Loriga, até que uma cortada à esquerda nos encaminhada para 3km a subir até à Torre, local de mais um abastecimento e que marca o meio da empreitada. Lá em cima o vento é fortíssimo e arrefece bastante. Sinto-me ligeiramente desconfortável, também por causa do ultimo km, onde apanhámos alguns troços de subida mais inclinada. Encho os flasks, como mais uns pedaços de batata doce e faço-me ao caminho. Nesta altura já tínhamos mais de metade do desnível positivo conquistado, seguia-se a compensação. Cerca de 8km a descer até meio do Vale Glaciar. 

Fotografia do Francisco Soares na descida até À barragem da Loriga, antes de virar à esquerda para a Torre.

É precisamente nesta fase da descida que passo o pior bocado na prova. No meu já muito conhecido trilho do major sinto-me enjoado e o corpo entra num estado dormente. Não me consigo concentrar convenientemente, tropeço a toda a hora, dou pontapés em pedras e avanço muito atabalhoadamente. E se há trilho pouco propicio a desconcentrações é este! Nos 2km quase planos da Nave de Sto. António consigo meter um passo razoável de corrida enquanto me preparo para a parte final da descida, já no Vale Glaciar. Mais uma vez, desço de maneira muito pouco fluída e já imploro pelo abastecimento para reanimar. 

Fotografias com fartura! do Francisco Soares.

Esse chega aos 34km. Respiro fundo, meto uns bocados de aletria à boca (neste não havia batata doce!) e hidrato bem. Volto a encher os flasks e avanço para a penúltima subida do dia, uma picada de 300+ que nos faria transpor a parede direita do Vale Glaciar. Aperto as alças dos bastões e começo a trabalhar.

Nada como uma boa subida para nos trazer de volta à terra! O trilho aos zigue-zagues, cheio de pedras e patamares, é perfeito para meter um passinho certo. Mão direita, pé esquerdo, mão esquerda, pé direito. Inspira dois, expira três. A sintonia era perfeita e quase sem dar por cima estava a virar o Vale. Seguiam-se 2 ou 3km de estradão a descer com pouca inclinação, já conhecia esta parte. Felizmente as pernas disseram logo presente e fui correndo a um passo aceitável, apesar de nesta altura já com algum esforço. 

Tirei esta fotografia não este fim de semana mas no verão passado, quando fiz este mesmo trilho sozinho, a treinar. A minha vista preferida dos três cântaros! Vejam o fundo do Vale lá em baixo.

Entrava agora na única parte desconhecida para mim em todo o percurso. A descida ao Poço do Inferno. Já tinha feito a subida algumas vezes em sentido contrário, sabia que era muito inclinada apesar de curta, mas todo o caminho até ao fundo do Poço era nova. 

Saídos dos tais 3km de estradão começamos a descer a pique uma encosta cheia de árvores e coberta com uma camada de 30cm de folhas secas. Sem trilho aparente, só fitas a orientar o caminho. Naturalmente os movimentos de pernas eram mais amplos que o normal para tentar não ficar preso numa raiz ou pau que se escondia debaixo das folhas, o que provocou um acesso imediato e violento de cãibras! Tive mesmo que parar uns segundos, tomar uma cápsula de sal e respirar fundo. Confesso que não achei grande piada a este km, mas também rapidamente o esqueci quando entrámos no verdadeiro trilho do Poço do Inferno.

Primeiro uma maravilha de terra numa encosta muito ingreme. Gradualmente ficou com mais e mais pedra, até se tornar num verdadeiro troço de skyrunning, muito difícil tecnicamente e de progressão lenta. Foi um alívio quando finalmente entrei no troço da subida que já conhecia, apesar dela própria ser bastante difícil. 

A entrada no trilho do Poço do Inferno. Íamos mesmo até ao fim daquele desfiladeiro antes de voltar a subir.

Cinco km a descer separavam-me do final, 4.5 deles feitos no conhecido trilho do Javali. Felizmente as pernas ainda tinham algumas reservas. Meti um último gel e embalei na calçada romana do trilho por ali abaixo. Uma bela descida, pouco técnica, que nos aproximava devagarinho da vila de Manteigas. 

6h58 depois voltei a cruzar o pórtico da Estrela. Fui o 13º a cruzá-lo, o que me deixa orgulhoso, mas também tenho plena consciência que isso, no trail, não quer dizer nada. Na chegada lá estava o Armando para me dar um abraço e dois dedos de conversa, aposto que foi assim do primeiro ao ultimo classificado! Excelente prova com um excelente e equilibrado percurso. Adorei! Já não ia ao EGT desde 2015, quero ver se não passo tanto tempo sem voltar a ir uma reunião de Amigos do Armando!



segunda-feira, 25 de abril de 2022

Madeira Island Ultra Trail - O ano da meia dose (60km)

Seis vezes. Fui lá seis vezes e em cada uma levei cacetada que ferveu! Mesmo assim, na sétima, ainda consegui cometer o mais básico dos erros: subestimei o MIUT! Pronto, tem uma atenuante. Pela primeira vez não ia correr os 115km e ficar-me-ia pela meia dose, a recém estreada prova de 60km. 

Fotografia do Aurélio David

Infelizmente tenho escrito muito pouco por aqui, mas quem priva comigo já percebeu que nos últimos meses tenho feito a transição para uma nova fase na corrida. Desde o Sicó e, principalmente, desde o MIUT 2021 que não me tem apetecido fazer provas de 3 dígitos! O relato do ultimo MIUT pode ter dado algumas pistas e na altura associei à lesão que me chateava, mas a verdade é que não era só isso. Toda a experiência foi terrivelmente angustiante! O nó gigante que tinha na barriga, daquela vez não era pela ansiedade de começar, simplesmente não me apetecia voltar a passar pelo sofrimento que envolve uma prova como o MIUT. Não me apetecia começar, não me apeteceu enquanto corri e nem sequer tirei grande prazer por chegar ao fim. Fiz 19 provas acima dos 100km nos últimos 8 anos, tenho melhorado os métodos de treino, de nutrição, ganhei experiência, passei por muito. Mas sinto que não consigo evoluir. Pior, depois de 6 MIUTs concluídos, sinto que simplesmente não sou feito para aquelas distâncias! Mas, tranquilo. São fases. Talvez daqui a uns tempos me volte a apetecer enfrentar essa besta que são os 3 dígitos, mas neste momento estou noutra. Apetece-me fazer provas "curtas", até aos 50/60km. Andar com a corda na garganta, pensar menos em gestão e mais em dar o máximo, ir a fundo nas descidas, chegar ao limite nas subidas, perceber que, aqui sim, quanto mais treino mais pernas tenho! Enfim, são fases. Agora estou nesta!

Pronto, feita a introdução/justificação, vamos à prova!

Como todos os anos, o fim de semana MIUT é uma festa. A Sara diz que é a minha viagem de finalistas anual! Este ano, entre repetentes e estreantes, éramos 6! Eu, Simão, Alexandre, Vasco e Chico nos 60km e o grande Vasco Lopes nos 115km. A sexta feira, dia antes da prova, foi o oposto completo do ano passado. Passei o dia bem disposto e muito ansioso por começar, bem descansado, confiante no treino e sem lesões a chatear!

O grupo na partida. Menos o Vasco Lopes, que já andava a palmilhar desde a meia noite.

O percurso desta prova é perfeito. Começar com uma grande subida aos Picos, com direito a fazer o ex-libris da ilha, que é a ligação Ruivo-Areeiro, e depois quase sempre a descer até Machico, já pelo percurso habitual do MIUT. Na minha cabeça eram só facilidades. Subir forte no inicio, porque as pernas estão frescas, e depois controlar-me na descida para não ir depressa de mais e ter pernas para correr no fim. Pois claro, controlar-me para não ir muito depressa....

Oito da manhã e deu-se a partida para os cerca de 400 atletas, maioritariamente estrangeiros, como já é normal no MIUT. O tempo era o típico da Madeira, sol, chuva, vento, frio, calor, nevoeiro, céu limpo e nuvens. Tudo no espaço de 15 minutos! 

Saí de Boaventura a andar forte, com o Simão, de forma a nos colocarmos numa boa zona do pelotão. Conseguimos, mas com isso lá tivemos que andar a meia hora da praxe com a corda na garganta! Sobe e desce em levadas e trilhos no meio de hortas e pequenas povoações. com muita vegetação e sensação de correr numa floresta húmida, levaram-nos até ao primeiro abastecimento, no Lombo do Urzal, onde se iniciaria o prato principal desta corrida: a subida ao Pico Ruivo. 

A visão mais comum do MIUT. Foto do Vasco Carvalho

Como não podia deixar de ser, a subida era uma besta. Saídos do abastecimento, entrámos logo num trilho perfeitamente embrenhado na floresta, a fazer lembrar muito a parte inicial da subida a Estanquinhos. Um trilho de curva e contra-curva, de terra escura e pedras cobertas de musgo, muito constante, trabalhosa, a exigir uma constante adaptação da trajetória de maneira a tornar o esforço mais eficiente. 1, 2, 3, 4km, sempre a subir, sempre a trabalhar. 600, 700, 800m de desnível acumulado. Nem queria acreditar que já estávamos tão perto do km vertical! As pernas fresquinhas ajudavam, mas só me lembro de ter sentido uma euforia tão grande a subir uma outra vez na vida: no ataque ao Comapedrosa em Andorra, na Mitic! 

À medida que nos aproximávamos das cotas mais altas a paisagem ia mudando, passámos por verdadeiras gargantas, virámos montanhas só para dar de caras com outras maiores, rasgámos encostas em trilhos que pareciam estar ali desde que a montanha nasceu. Só podia, tudo ali fazia sentido, era perfeito! 

Foto lá em cima, do Vasco Carvalho

Já nos 1400m passámos pela Boca das Torrinhas e embocámos no percurso já conhecido do MIUT. A grande diferença é que desta vez estava a chegar ali com pernas! E, pasmem-se, dá mesmo para correr lá em cima! Perfeito, perfeito! Corria com um sorriso rasgado no rosto, a descer, em plano e a subir, é difícil descrever a alguém o prazer que se sente! A sério, se alguém estiver a ler isto e nunca tiver corrido em trilhos.... vão, vão, não percam tempo!

Fotografia do Luis Alberto Hernando pelo enorme Ian Corless. Vi-o lá neste sítio e fotografou-me, quem me dera encontrar isso! Depois tive vergonha de lhe dizer que sou fã dele.

De repente estava no Pico Ruivo. 16km, 2000m de desnível positivo acumulado. Não me podia deixar levar pela euforia, faltava muita prova. Entrei no abastecimento, enchi os flasks e comi à pressa. Seguia-se o ex-libris da prova, a travessia até ao Pico do Areeiro e, mais uma vez, foi todo um mundo de sensações novas conseguir ter pernas para correr ali. 

Tudo ajudava, até as dezenas de caminheiros que estavam a dividir os trilhos connosco. Imaginem um trilho tão estreito que mal cabe uma pessoa, dum lado uma parede de rocha, do outro uma falésia com centenas de metros. Agora imaginem cruzarem-se com dezenas de caminheiros enquanto correm! Todos eles se colavam à encosta, o único movimento que faziam era para bater palmas e gritar incentivos, criando corredores humanos, tal e qual os metros finais de uma maratona por uma qualquer capital europeia! Que loucura! 

Mais uma do Vasco, onde dá para ver a quantidade de gente no trilho.

Pico do Areeiro, 21km, 2500+. Estava cumprida um terço da distancia e só restavam 700m de subida até ao fim. Faltava a outra parte, o desnível negativo. Nos próximos 22km íamos passar da cota 1800 até à cota 0, na praia de Porto da Cruz. Na minha cabeça era aqui que estava a chave da prova. Controlar a descida para não massacrar de mais as pernas e conseguir correr nos 16km finais, que são planos. Sim, na minha cabeça os 2500+ que teríamos nas pernas neste ponto eram só um pro-forma! Não podia estar mais enganado. É certo que as pernas ainda não estavam na reserva, mas a subida estava lá. Ai se estava...

Senti-a assim que começou a descida até ao Chão da Lagoa e, ao contrário do que tinha imaginado, o problema não era controlar-me para não ir depressa de mais. Era mais perceber onde é que ia buscar força para andar depressa na descida! Nunca andei soltinho, mas como sabia que a prova era "curta", também não me poupei. Portanto, forcei. Andei no limite naqueles primeiros quilómetros mais técnicos até ao Chão da Lagoa, de tal maneira que assim que entrei no abastecimento me saltou um musculo da perna. Tudo bem, foi no sitio certo. Parei, alonguei, comi e voltei a encher os flasks. Quando saí do abastecimento já estava recomposto. 

Única foto minha na prova, pelo Aurélio David. É o que dar escrever isto antes de saírem as fotografias.

Era hora da primeira grande alteração do percurso. Este ano, em vez de descer ao Ribeiro Frio e subir ao Poiso, desceríamos diretamente ao Poiso para depois voltar a entrar novamente no percurso conhecido até à Portela. Fiquei surpreendido quando chegámos ao Poiso em pouco mais de 2km! 

Em todos os anos anteriores, este era o ponto fulcral do MIUT. Dizia sempre que se chegasse ao Poiso com pernas era sinal que a prova tinha corrido bem. Este ano não podia aplicar esse raciocínio, mas a verdade é que cheguei lá mesmo com pernas e com pernas entrei na descida mais fácil do percurso, os 9km que ligam o Poiso à Portela. 

Trilhos limpos, pouco inclinados, estradão e levadas. Perfeito para desenrolar as pernas! Corri sempre, mas em esforço, não muito depressa. A ponta final da descida é feita ao lado de uma levada, nuns degraus de troncos muito agressivos. Depois de alguns km de estradão, os movimentos bruscos de ter que saltitar nos degraus provocaram a segunda crise de câimbras do dia! Mais uma vez: timing perfeito. Foi mesmo à porta do abastecimento, na Portela.

Entrei e, pela primeira vez, sentei-me. Estava mesmo a precisar! Já estava muito massacrado da descida. Comi umas rodelas de batata doce com toping de sal grosso, numa tentativa desesperada de controlar as câimbras. Não fui rápido no abastecimento, mas estava a precisar. Nesta altura já estávamos a dividir os trilhos com a malta dos 42km, que apareceram a todo o gás no Chão da Lagoa, por isso o abastecimento estava cheio e abafado. Espreitei lá para fora só para perceber que a chuva grossa que apanhei nos metros finais antes do abastecimento continuava a cair. Enfim, estava na hora! 

Foto do Vasco a meio da descida para o Porto da Cruz.

Segunda alteração do dia: depois da Portela, em vez de seguir para os trilhos das Funduras e para a Degolada iriamos continuar a grande descida até ao Porto da Cruz. A primeira parte da descida foi muito massacrante, pelo Caminho Real. Um trilho de calçada de basalto, muito inclinado, com degraus muito curtos. Curtos de mais para permitir um passo de corrida fluido, obrigava a um constante saltitar. Não haviam bastões que ajudassem, todo o peso do corpo era descarregado nas pernas. Tum, tum, tum, sempre a martelar músculos e articulações! Numa segunda fase entrámos nuns trilhos junto a levadas, com lama, muito pesados, por causa da chuva que caía. Finalmente desembocámos nas estradas de Porto da Cruz, já quase ao nível do mar, para cumprir um par de km em estrada.

Cota zero, 45km. Faltavam apenas 15km para a meta. Uma subida que não conhecia separava-nos da entrada na já conhecida Vereda do Larano e finalmente as levadas de Machico. Comi bem no abastecimento e fiz-me ao caminho.

O meu grande amigo Vasco, pelo Aurélio David, no fim da subida após Porto da Cruz. Este senhor, que já anda nisto há uma data de anos, sacou só 21 horas nos 115km. Que animal!

Esta seria a ultima parte desconhecida do percurso. Acabou por ser uma subida relativamente fácil, quase toda ela feita em escadas e com 300m de desnível positivo. No entanto, foi a parte onde sofri mais em todo o percurso. Já muito desfeitos da descida, os músculos começaram a gritar assim que alcei a perna para o primeiro degrau! Toda a subida foi feita em grande sofrimento e até tive que me sentar duas vezes para ganhar alento. Fiquei preocupado com os 12km finais, os tais que, com pernas, são perfeitamente corriveis. Primeiro no Larano e depois das Levadas.

Não foi fácil. Não estava soltinhos nem com pernas frescas. Não foi bonito. Foi mesmo de faca nos dentes que meti o trote no inicio da vereda do Larano! 4km de um falso plano (tem 100+), feitos em esforço mas num passo muito certinho. Ah, pela primeira vez fiz o Larano de dia. Que portento! Uma brutalidade de trilho a contornar as encostas, com o mar do lado esquerdo. 

Entrei nas levadas de Machico já com muitas luzes acesas no tabelier, mas agora era mesmo só um esforçozinho. Há alguns km que fazia contas de cabeça para perceber se conseguiria chegar antes das 9 horas, agora já era certo. Não desarmei e corri mesmo até à meta, onde cheguei 8h34 depois de sair de Machico!

O Manelíco à minha espera.

Aqui está ele.

Não foi uma chegada apoteótica, não me emocionei nem nada que se pareça. Mas cheguei feliz e animado. Total e perfeitamente satisfeito, com a sensação que dei tudo o que tinha e que mesmo assim não fui ao fundo do poço. Não precisei, assegurei-me disso ao longo das muitas horas de treino e agora tinha ali a minha recompensa! Ainda não eram 5 da tarde, liguei à Sara, falei com os miúdos e fui tranquilo tomar banho. Juntei-me ao Simão enquanto esperávamos pelo resto da malta de Almeirim e víamos as chegadas. Todos os nossos companheiros chegaram bem e fizeram provas brutais. Jantámos descansados uma bela pizza e duas ou três corais, na praça central de Machico. Tranquilos. Completamente desfeitos e moídos, mas tranquilos e satisfeitos, ainda com a cabeça numa nuvem de endorfinas. 

São fases, suponho... E nesta fase é precisamente isto que eu preciso da corrida. Foi perfeito!



segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Madeira Island Ultra Trail

Parti derrotado.

Não me lembro de alguma vez ter começado uma prova assim. Certamente nenhum MIUT! Depois de praticamente ter deixado de conseguir treinar após os 20km de Almeirim, a 3 semanas da partida, perdi toda e qualquer confiança que tinha para o MIUT. As dores no gémeo, mesmo quando caminhava, eram uma constante nuvem negra que pairava, mas pior que isso era ter perdido a vontade de partir. A angustia aumentou na quinta feira, dia em que fui para a Madeira com o Rodrigo, o Mota e o Simão. No aeroporto o pânico instalou-se de tal forma que, já dentro do avião e a minutos de descolar, enviei um mail à pressa à organização a pedir para trocar a distância para os 60km! A resposta chegou às 4 da manhã: não, amigo. Vais ter que te aguentar à bronca!

Fotografia do Nuno, que vai assumir um papel preponderante nesta história. Já vos conto.

A noite estava perfeita. Céu limpo, temperatura fresca mas não demasiado e sem vento. Pareceu de encomenda, já que choveu torrencialmente na quinta feira e depois voltou a chover no domingo de manhã. O ambiente em Porto Moniz estava uma sombra de anos anteriores. Fruto dos adiamentos por causa da COVID eramos apenas 315, um terço de 2019. Não me queixo, sou um bocado bicho do mato e gosto muito mais das provas com menos gente. Bebi um café no sitio habitual, para dar sorte, e sentei-me na escadaria habitual, para dar sorte. Meti a cabeça entre as pernas e fechei os olhos, a tentar abstrair-me ao máximo de tudo o resto. Faltava uma hora. 

Minutos antes de apanhar o autocarro para Porto Moniz. A moral estava em altas, como se percebe.

Com o Simão, o meu companheiro de treinos na caminhada até aqui. E que brutalidade de prova ele fez! 21h45

Olhos fechados, respirar fundo e contagem decrescente. Estava na altura. Assim que tocasse a meia noite a minha vida nas próximas 20 e muitas horas teria apenas um objetivo: conquistar o próximo metro. Conheço esse sítio, já quase vivo lá. 3, 2, 1.... Bip. Cronómetro iniciado. 

Foto da organização

Primeiros passos de corrida e o gémeo deu logo sinal. Já estava à espera, nada de pânico. Só precisava de perceber se a dor ia aumentando ou se seria suportável, como nas ultimas semanas. 500 metros de corrida e engatámos logo na primeira subida. Armar bastões e siga pra cima! 

Inicio da primeira subida. Fotografia do Miguel Cadalso.

Continuava com nenhuma vontade de ali estar, desconcentrado e pessimista. Não que pensasse em desistir, isso nunca me passou pela cabeça em qualquer ponto da prova, mas estava quase a fazer um frete. É um lugar comum dizer que numa grande ultra metade é físico e a outra metade é cabeça, mas é 100% verdade e o facto é que a minha cabeça não estava para ali virada. Subia devagar, mais devagar do que devia e podia, sempre perfeitamente na zona de conforto. Tinha decidido que, por causa do gémeo, não ligaria ao tempo final, só queria chegar ao fim. Claro que isso do gémeo era treta. Quer dizer, doía-me e doeu-me do primeiro ao ultimo passo, mas era suportável, não era isso que me prendia. Foi a desculpa que dei a mim mesmo naquelas horas iniciais para não entrar em prova!

Mas o MIUT não se coaduna com desculpas e a descida para a Ribeira da Janela era já ao virar do monte. Primeira descida, num trilho simpático que serpenteava pela encosta, mesmo até junto ao mar onde apanhámos um banho não de água mas de pessoas, aplausos e gritos. É uma passagem mítica todos os anos e, para mim, marca o verdadeiro inicio da prova: a subida para o Fanal.

Fotografia do Mario Pereira, retirada do Facebook da prova. Em primeiro plano o Pedro Caprichoso e o Ricardo Silva, ainda partilhei uns km com o grupo deles, lá atrás venho eu e lá mais atrás reparem na serpente de luzes a descer a encosta.

Nesta fotografia do João Faria, também retirada do Facebook da prova, dá para ver a serpente a partir da subida ao Fanal. Uma imagem mítica de todos os MIUT

Na subida para o Fanal, o primeiro km vertical que apanharíamos, com 1100+ em 11km, continuei com a mesma estratégia. Devagar, sempre abaixo da zona de conforto, sem forçar nada. Primeiro por entre as casas e finalmente no meio da floresta, entre degraus de troncos de madeira e piso enlameado, lá chegámos ao primeiro abastecimento, aos 15km. 

A estrutura montada para este MIUT era a mesma para aqueles com 1000 pessoas. Quer dizer que os abastecimentos eram enormes e havia pouca gente. Impecável. Comi bem e bebi dois copos grandes de café. Sentia-me bem e o gémeo estava controlado, mas ataquei a descida seguinte com cuidados redobrados. Fui muito lento nas partes mais técnicas e nunca arrisquei nada. Queria chegar a Estanquinhos o mais são possível, mas isso estava a custar-me tempo. Muito tempo. 

A subida seguinte, para Estanquinhos, é um dos momentos chave do MIUT. É uma bomba. Impossível descrever por palavras aquele portento. Os números da parte inicial, 1100+ em 4km, explicam alguma coisa, mas só passando por lá se consegue perceber. É a subida perfeita. Sempre aos ésses, num trilho de terra escura cravejado com pedras que permitem ir sempre escolhendo a melhor maneira de subir. O ritmo era certinho, fluido, sempre a trabalhar por entre pedras e degraus. Já depois dos 1000 metros uma pequena pequena folga na inclinação e aproveito para comer uns figos secos que levava comigo, mas logo a seguir recomeça o trabalho para a ponta final, agora num trilho mais a direito que nos levaria até ao planalto do Paul da Serra, que estava incrivelmente bonito. A lua cheia brilhava no céu limpo e mostrava os cumes todos que nos rodeavam, a erva rasteira estava congelada pelo frio e toda ela brilhava como pequenos cristais que estalavam quando os pisávamos. Perfeito!

No abastecimento de Estanquinhos dei uma vista de olhos ao papel que levava comigo onde tinha os tempos previstos de passagem. Já levava mais meia hora que em 2019! Não estava à espera que fosse tanto. Enfim, o mal estava feito.  

Segui com o plano e tentei poupar-me ao máximo na descida para o Rosário, abastecimento que marcava os 40km de prova. Praticamente percorri a andar os 2km muito chatos naquele estradão inicial cheio de pedra grande e solta à saída do abastecimento e finalmente soltei-me quando entrámos nas levadas. Um trilho maravilhoso, quase plano, que nos embrenha dentro da floresta Laurissilva. 


Duas fotografias dos trilhos na descida para o Rosário, pelo Miguel Cadalso.

Foi a sexta vez que ali passei e a sexta vez que apanhei o nascer do sol nestes trilhos. Mas posso dizer com toda a certeza: nunca apanhei um tão perfeito como este ano. Não sei se por ter sido um sol de Outono, pelo céu estar tão limpo, pela conjugação de tudo e mais alguma coisa... Nunca vi nada assim. Os tons laranja dos primeiros raios de sol davam vida e aqueciam o verde da Laurissilva, uma coisa de outro mundo! A Madeira é mesmo um sitio único. 

Fotografia do Cadalso numa parte emblemática da descida.

Chegado ao Rosário voltei a olhar para a cábula, tinha mantido a meia hora a mais em relação a 2019, mesmo a ser muito conservador na descida. Não estava mau, meia hora ainda era recuperável... Nesta altura comecei a entrar na prova, sentia-me bem e solto, naturalmente amassado dos 3000+ que já tinha nas pernas, mas isso é o mais normal. Com jeitinho a coisa ainda encarrilhava!

Iniciei o caminho do Rosário para a Encumeada bastante mais animado. Pela primeira vez tinha a cabeça dentro da prova, agora era altura de ver se o resto se alinhava. Sempre encarei esta parte do percurso como uma espécie de proforma: saímos da noite e sobrevivemos ao inferno dos primeiros 30km, agora íamos a caminho da Encumeada para uma das descidas mais massacrantes antes de começar a segunda parte da prova, mas antes temos estes 9km com 600+ de interlúdio. Primeiro descemos por umas hortas, depois um estradão e finalmente as escadas mais certinhas de toda a prova, no caminho do quebra panelas (não me lembro se é mesmo este o nome), uns degraus a subir perfeitos para meter um ritmo certinho.

A parte final da subida.

Virada a encumeada tínhamos uma pequena descida antes do abastecimento no hotel. Nos outros 5 anos esta descida era pela estrada, mas este ano entrámos numa levada incrível com 1 ou 2km que acabou num trilho a pique a desembocar mesmo à entrada no hotel. Muito mais massacrante, por causa da inclinação do trilho, mas valeu a pena. O que também valeu a pena foi ter encontrado a meio desta descida o Mota, que estava nos 85km! Um dos meus companheiros de treinos de madrugada, que se estava a estrear numa distância destas. 

Entrámos e saímos do abastecimento juntos e seguimos para a segunda parte do interlúdio, antes de finalmente começarmos a descer para o Curral. Mas desta vez já não era um caminho simples. Primeiro subimos o famoso pipeline, que mais uma vez fiquei com a impressão que tem mais fama que proveito. Não é uma subida muito difícil. Depois contornámos o vale inteiro num trilho muito bom, ondulante, quase sem inclinação, que fizemos quase integralmente a correr, tais eram as boas sensações!

Fotografia do Mota no fim do pipeline.

Faltava-nos agora apenas o meio km vertical de subida antes da grande descida para o Curral. Tínhamos saído à 1h15 do abastecimento, por isso decidi que seria ali, bem no inicio da subida, que iria comer. Para esta prova adoptei uma estratégia diferente com a alimentação. Com a ajuda e conselhos do Simão, decidi que até ao Curral não ia tomar géis. Antes, levei uns sacos que continham meia sandes de pão de forma com presunto, dois figos secos e duas gomas. A cada hora, hora e meia comia um destes sacos, além dos abastecimentos. Até ali já tinha comido 3 daqueles sacos e a estratégia estava a correr bem, mas...algo mudou.

Comecei a comer a sandes e, como sempre, empapou um bocado na boca. Nada de estranhar, é normal. Mas outra coisa não estava a ser normal, estava a subir a um ritmo muito baixo e enquanto comia a minha respiração estava descontrolada, completamente ofegante. O sol já estava alto e corríamos pela primeira vez fora da sombra, comecei a suar em bica. Demorei mais de 10 minutos a comer a sandes e os figos e acabei com a sensação que tinha feito uma série de 1000m a fundo! Respirei fundo e tentei meter um ritmo certo na subida para recuperar o folego, mas simplesmente não conseguia. O Mota começou a afastar-se ao ritmo dele e eu a afundar-me. 

Finalmente chegados à Relvinha, local onde viramos a montanha para a descida, 4.5km de subida depois, engato na descida já derreado. E, claro, esta não é a descida certa para se fazer vencido. Mais de 3km onde se perdem quase 700m de desnível, muito massacrante e técnico. 

Cheguei ao Curral das Freitas, Base de Vida, 61km, às 12h38. Quase uma hora depois de 2019...

Fotografia que enviei à Sara, com o obrigatório Compal de pêra na Base de Vida.

Aquela réstia de esperança sentida até à subida da Encumeada tinha-se esvaído. As ultras são uma verdadeira montanha russa de emoções. É incrível como num momento estamos no topo do mundo e, meia sandes de presunto depois, descemos ao fundo do poço.

Sentado na base de vida sentia-me um farrapo. O gémeo tinha-me voltado a doer e coxeei até à zona da comida quente para ir buscar um prato de massa, do qual comi 3 garfadas, enjoei e deixei o resto. Troquei relutantemente de tshirt mas deixei a térmica, apesar de estar calor. Não me apetecia... Troquei 4 ou 5 palavras com o Mota, disse-lhe que estava acabado, que ia ser em modo wallking dead até ao fim. Arranquei primeiro que ele, disse-lhe que nos viamos na subida de certeza.

Saí do abastecimento dobrado, cabisbaixo e vencido. Afundei-me em pensamentos negativos. "Não presto para isto", pensava. "Não fui feito para provas de 3 dígitos. Farto-me de treinar e depois chego aqui e é sempre a mesma merda. Nunca evoluo, é sofrer do início ao fim!". 

Arrastei-me nos 2km de alcatrão que subimos à saída do Curral antes de entrarmos no trilho da gigante subida ao Pico Ruivo. Já sabia de cor e salteado o que me esperava: um mar de sofrimento. Estava no fundo do poço. Bem, mas agora já ali estava, nada a fazer, tenho que ir ao trabalho.

Subia vagarosamente apoiado nos bastões por entre os eucaliptos do inicio da subida. Lá em baixo começo a ver alguns companheiros que naturalmente me vão alcançando. Um, mais outro, mais outro... vão todos passando por mim. Um deles era o Vitor Silva, um amigo de Guimarães com quem já partilhei alguns km e aventuras. Vinha com o Nuno, um maluco, também de Guimarães, que estava inscrito na prova dos 42km mas decidiu não partir e antes sair com o Vitor do Curral e levá-lo à meta. Engataram atrás de mim e começámos a conversar. Não me quiseram passar e eu, para não estar a atrapalhar, aumentei um pouco o ritmo. Continuámos a conversar, aquelas conversas normais à pescadores, de conquistas passadas. Continuei na frente, no mesmo ritmo, e eles atrás mim. Conversámos, rimos, passámos pessoal..... 

Espera, passámos pessoal?

Um de cada vez, fomos rodando os 3 na frente do comboio. Falámos de corrida, do trabalho, dos filhos, da vida... Sem dar por isso, já tínhamos a subida praticamente toda feita! Passámos a Boca das Torrinhas, já perto dos 1600m, e entrámos no reino das escadas. Sempre bem dispostos e a andar bem.

Há pouco falei-vos da montanha russa que é uma ultra, se isto não foi a maior reviravolta que eu já passei está lá perto. Fiz nada mais nada menos que o meu melhor tempo na subida Curral - Ruivo! E tudo graças ao Nuno e ao Vitor. 

Fotografia que o Nuno tirou ao Vitor no abastecimento do Pico Ruivo. Tenho pena de não ter uma boa foto com os dois!

Lá em cima, entre os picos, foi abismal. Vale sempre, mas sempre a pena. Tudo. O esforço, o sofrimento, o treino, as dores. Quando entramos naquele mundo fica tudo compensado. Este ano estava incrível, com algumas nuvens que nunca chegavam a cobrir completamente mas iam abrindo e fechando, sempre em movimento, sempre a modificar a paisagem. Mais uma vez, íamos os 3 em perfeita sintonia, agora com a companhia do Aldónio, um madeirense que engatou no comboio. Esta foi sem dúvida a minha melhor fase da prova e, também aqui, bati o meu record para o percurso entre os picos!



E esta sequência de fotos tirada pelo Nuno? Brutal.

Conquistado o pico do Areeiro saímos daquele planeta e voltámos à Madeira. Tínhamos pela frente 4km de trilho maioritariamente a descer até ao abastecimento, no Chão da Lagoa. Aqui descemos novamente à terra. Os degraus a descer logo a seguir ao Areeiro têm um tamanho terrível, o mais desconfortável possível. Demasiado altos e espaçados, não dá para transpor sem ser a martelar as pernas! Com o sol a pôr-se no horizonte também as reservas acumuladas naquelas horas de euforia começaram a esgotar-se. É mesmo assim, a montanha russa estava novamente a virar. Estava na altura de voltar a cerrar os dentes.

Fotografia pelo Ricardo Gonçalves, um amigo madeirense que conheci há uns anos precisamente aqui no Areeiro! Atrás vem o Aldónio, também ele irá ter um papel muito importante no desfecho.

Chão da Lagoa, 81km. O pior já estava, já tínhamos praticamente todo o desnível positivo vencido, assim como as maiores dificuldades técnicas. Mas a chave desta prova é no Poiso, aos 92km. Digo isto a toda a gente: se ao sairmos do Poiso tivermos pernas para correr, então a prova está feita. Se não, é um martírio até ao fim. Bem, mas antes do Poiso, temos uma descida e uma subida para tratar. Vamos a isso.

Foto do Ricardo, dentro do abastecimento do Chão da Lagoa, com o Vitor e o Nuno. Foi aqui que ligámos os frontais.


Às vezes esqueço-me que nem toda a gente conhece este perfil de cor. Aqui fica, para se situarem.

Detestava esta descida ao Ribeiro Frio, que é a aldeia antes da subida ao Poiso. Quem leu os meus anteriores relatos do MIUT já ouviu falar muito dela. Principalmente das subidas a meio da descida! Mas este ano a organização fez-nos uma muito agradável e bem vinda surpresa: descemos por outro sitio! Uma pista de BTT aos ésses, muito boa de correr! Que maravilha. Nem dei pelo tempo passar.

Já a subida senti-a bem nas pernas. E nos braços. E nas costas. E nos ombros. Ufa, que o gajo da marreta estava ali a meio! Mais uma volta na montanha russa! Pumba, lá pra baixo!  Ainda por cima estávamos a chegar ao ponto chave! Vejam bem no perfil acima, a partir daqui é sempre a descer, mais propriamente 25km a descer. Se as pernas tiverem reservas é uma limpeza, se não...ui, modo walking dead, na segunda noite, durante 25km... E a verdade é que as luzes do tablier estavam todas acesas nesta altura.

Ultima foto que enviei à Sara, no Poiso. As minhas selfies são sempre terríveis. 

Comidinha para o bucho e ala que se faz tarde. Os 9km até à Portela são, na teoria, os mais fáceis de todo o MIUT. Primeiro num trilho muito limpo e simpático, depois num estradão a descer. Tudo muito corrível e com desnível negativo. Perfeito, não é? Pois bem, o problema é que tinha os quadríceps destruídos. Tal como no UTMB, em 2016, rebentei a parte da frente das coxas e agora tinha dores horríveis a descer. Inacreditável. Tive tanto cuidado em todas as descidas! Pensando com distanciamento, talvez o problema tenha sido esse. Travei demasiado em todas as descidas e lixei as pastilhas. Parecia um entrevado cada vez que o terreno inclinava mais um bocadinho, estava a ficar profundamente irritado e frustrado. O pior cenário estava a concretizar-se. Ao chegar ao abastecimento da portela temos 200 metros a descer em alcatrão. Tive que adoptar a táctica UTMB, desci de costas! Valha-me Deus. Como tu estás, Filipe Honório....

Agora sim, definitivamente toalha ao chão. A hora que tinha a mais no Curral nunca mais a recuperei, mas agora até as 25 horas estavam em risco. Mais uma vez, no fundo do poço. Entrei no abastecimento, agarrei em dois bocados de banana, um de bolo de mel e dois quadrados de chocolate e fui para a rua comer. Não queria aquecer muito e apetecia-me estar sozinho. Esperei tranquilamente pelo Vitor e o Nuno lá fora, uns bons 20 minutos. Não faz mal, estava a saber-me bem e a prova já estava perdida de qualquer maneira. 

Faltavam 17km. Arrancámos todos juntos, mais uma vez, com o Nuno a puxar na frente. Meteu um trote ao qual todos responderam e foi assim que fomos papando o estradão inicial até entrarmos no trilho das Funduras. Em plano os quadriceps não me doíam tanto e até estava a ser capaz de manter aquele ritmo. O Nuno encostou e eu, como não queria parar porque depois me custava a recomeçar, assumi a frente e continuei no mesmo ritmo. Seguiu-me o Aldónio. Entrámos no trilho das Funduras os dois sozinhos, eu na frente, sempre a trote. O trilho é muito ondulante, tanto sobe como desce, mas incrivelmente corria melhor a subir do que a descer. Então continuei, continuei, continuei... Com o Aldónio atrás de mim, já isolados, nunca deixámos de correr. Foram 7km sempre a trote, no sobe e desce. De repente já estávamos na Degolada, uma descida assassina antes do ultimo abastecimento, do Larano. Cerrei os dentes e assumi as dores todas naquela descida. Disse ao Aldónio: "Vamos passar direto no abastecimento?"

Incrível. Já nem sei o que dizer. Passámos diretos a correr no abastecimento, para espanto de todos os que lá estavam, e continuámos o nosso trote na Vereda do Larano. A infinita. Ligeiramente a subir, mesmo boa para as minhas pernas destruídas das descidas. Descemos a boca do risco e aí sim, tive que parar uns segundos, alongar, conter as lágrimas que quase caíam com as dores nos quadriceps, e seguir. Só faltava a ultima etapa, os 5km de levadas à porta de Machico. 

O Aldónio, tal qual anjo da guarda, sempre atrás mim. Passei horas com ele desde o Curral. Ao contrario do Vitor e do Nuno, com ele falei muito pouco, mas também não era preciso, entendemo-nos na perfeição. Parava quando eu parava, acelerava quando eu acelerava, dizia-me para abrandar quando via que eu estava cansado. Conhecemo-nos ali, ele a fazer os 85km eu os 115. Provavelmente nunca mais nos veremos, mas foi em dupla que chegámos a Machico. Em contra relógio, a dar tudo nas levadas finais para conseguirmos chegar antes das 25 horas, o que conseguimos, por 40 segundos!! Só de pensar que há 16km atrás, na Portela, parecia impossível chegar antes das 26!

6 em 6.

Todos os MIUT que fiz foram especiais por uma ou outra razão. Este também o foi.  E foi porque não o fiz sozinho, era impossível ter chegado a Machico a esta hora sem a ajuda de outras pessoas: primeiro do Mota, que me meteu dentro da prova na Encumeada, depois do Vitor e do Nuno, que me foram buscar ao fundo do Poço no Curral e me levaram até ao Pico do Areeiro são e salvo e finalmente do Aldónio, que me empurrou para uma parte final incrível. Foi graças a eles, mas também foi graças a vocês todos que foram enviando mensagens de incentivo ao longo destes 6 anos. Foram 690km e sensivelmente 150 horas que passei nos trilhos do MIUT, numa ilha que já considero também como minha casa. E, claro, foi graças à minha Sara. Incansável no apoio, vive tanto isto como eu e ainda consegue segurar as pontas enquanto eu me vou perder para a montanha. O final perfeito para o ciclo Madeira Island Ultra Trail.




Será..?

domingo, 14 de novembro de 2021

"Ter fé é dançar na beira do abismo". Vem aí o Madeira Island Ultra Trail.

Há cinco meses que não escrevo aqui. Não há volta a dar, pela primeira vez em quase 7 anos não me tem apetecido escrever.

Apesar de nulos em escrita, foram 5 meses fartos em corrida. Não em provas, mas em corrida. Daquela pura! Muitas saídas de madrugada na Estrela, na Gardunha, na Lousã e até nos Açores. Quase sempre sozinho, outras vezes acompanhado apenas por uma ou duas pessoas, foram corridas onde senti uma sintonia comigo mesmo que não me lembro de alguma vez ter sentido ao longo dos anos todos que corro. Talvez por isso, pelas peças todas que encaixaram na perfeição e conseguir tirar da corrida tudo o que preciso, me tenha afastado do blog.

Nascer do sol no Cântaro Gordo, na Estrela

Nascer do sol no Pico da Vara, em São Miguel nos Açores

E....nascer do sol no Trevim, na Lousã! O que é que querem, gosto de treinar cedo...

Bem, mas chega de melodrama e sentimentalismo. Vamos lá despachar a ordem do dia que os 3 ou 4 que ainda estão a ler já começaram a olhar para as notificações no telemóvel. 

Desde os 65km da Freita, o ultimo relato que aqui escrevi, o meu foco virou-se para o Adamastor do costume: o MIUT. O meu 6º MIUT, que, fruto daquilo que nós sabemos, este ano passou do habitual mês de Abril para Novembro.

Desde então participei apenas em duas provas. Os 50km do Estrelaçor e os 20km de Almeirim. Ambas correram muito bem. Foram as primeiras duas provas desde que comecei o blog sobre as quais não escrevi no fim. Infelizmente, um ou dois dias após cada uma delas, faleceram dois familiares muito próximos, o que obviamente me deixou sem disposição para relatos. Segue um curtíssimo resumo:

No Estrelaçor ficou provado mais uma vez que aquele é um traçado perfeito para mim, com a primeira metade muito técnica e a segunda muito rolante. Também já percebi que entre os 30 e os 50km é a distância onde sou mais competitivo, e isso provou-se na Estrela, com um 10º lugar da geral. 

Não tenho uma única foto no Estrelaçor, mas esta é de um treino que fiz na Estrela e passámos ali naquele lago lá em baixo. Por isso....serve!

Nos 20km consegui finalmente alcançar algo que perseguia há meia dúzia de anos, o sub 1h20. Acabei com 1h19m39s, mesmo à justa, com uma média de 3'59''/km! Soube extraordinariamente bem voltar a correr os 20, depois de um ano de interregno. Tanta gente conhecida a puxar por mim quase que aliviou o sufoco que é correr 80 minutos de corda na garganta. Eu disse QUASE! 

Com o Mota, o Rodrigo e as nossas camisolas novas! 

Eu disse que tinha sido um sufoco.

Se bem se lembram, no final de 2019 e inicio de 2020 treinei com a beAPT, do Armando Teixeira, com vista ao MIUT 2020, que foi cancelado. Foram meses de mudança radical de métodos de treino e, apesar de ter sido durante tão pouco tempo, notei logo uma evolução brutal. Nunca mais voltei a treinar com eles, não que não quisesse, mas infelizmente é um esforço financeiro que não posso assumir hoje em dia. No entanto muita coisa ficou desses meses. Claro que sem o método de um profissional a orientar, mas algumas linhas básicas ficaram gravadas. Passei a sair mais vezes da zona de conforto nos treinos e passei a dar muito mais valor à intensidade do que ao volume de km. 



Só mais duas fotos de treinos perfeitos nestes meses. A primeira na mariola grande do KV do Alvoco e a segunda num qualquer bosque de sonho da Lousã.

Foram assim os últimos 2 meses de preparação para o MIUT. Poucas provas, semanas de treino de muita carga e sensações ótimas! Tudo estaria perfeito e encaminhado para um bom MIUT, mas......

O gémeo.

Raramente estou lesionado. Deve ser aí de dois em dois anos. Detesto falar sobre isso, quanto mais escrever sobre isso... Mas justifica-se, porque neste preciso momento, domingo, a 5 dias de sair de Porto Moniz, ainda tenho sérias dúvidas se vou partir na Madeira. Já que à pergunta se "devo" partir sei a resposta. 

Sim, é dramático. Começou uma semana antes da Estrela, 7 semanas antes do MIUT. Corri o Estrelaçor já limitado e desde então foram 5 semanas de carga cumpridas a toque de anti-inflamatório. Não me orgulho nada disso, mas foi literalmente isso: um treino - um comprimido no fim. Cumpri o plano com o gémeo preso por um arame, mas os 20km de Almeirim trataram de o torcer até ficar da espessura de um fio de cabelo. 

Toda a minha esperança estava depositada nas ultimas duas semanas antes da prova. Parei de correr, comecei a fazer massagens. Mas, infelizmente, ao fim da primeira semana de emergência, as perspetivas não são boas.

Vou entrar na ultima semana e não volto a correr até sexta feira à meia noite. Não faço ideia se consigo chegar sequer ao fim da primeira subida, mas, conhecendo-me, já sei que não vai ser por falta de tentativa. Duas semanas sem corrida claro que vão debelar a boa forma que tinha, mas numa prova de 115km não é por estar 10% em pior forma que me preocupo. Só queria que das 398 variáveis numa ultra daquelas que podem deitar tudo a perder, não conseguir correr por causa de uma dor no gémeo não seja uma delas. 

Enfim. O MIUT não espera por ninguém e está aí à porta. A minha prova preferida, o meu arqui-inimigo. Estou muito ansioso, nervoso e pessimista. Não sei se é daqui que vai sair o primeiro DNF da minha vida, mas não me vou ficar sem dar luta. 

Vamos a isso.

Algumas fotos do site oficial, para inspiração.